domingo, 26 de junho de 2016

As lavandas

Ontém  a noite  meditava no jardim ,sentindo o cheiro das minhas lavandas e pensavas na querida Cláudia Obenaus . Foi a  querida  Marilde, uma leitora do blog,que virou  minha amiga real,que apresentou-me a Cláudia.Recebi a Marilde cá  em casa em 2014 e  ela trouxe-me o livro autógrafado da Cláudia.Foi como um bálsamo na minha vida.Estava em casa depois do acidente , descobrindo a aromateria,fazendo yoga e meditando muito.Tínhamos planos de Junho deste ano ,nos encontrarmos as treis em Provence,não foi possivel com a partida de Cláudia.Ficou uma eterna saudade e aquela vontade de abraçar alguém  que você aprendeu à amar ,mesmo sem nunca ter visto,e ela sabia disto. Acho que este texto, de Clarice  Lispector ,descreve meu sentimento.Minha gratidão a minha querida amiga Marilde, por ter dividido comigo, esta amiga tão especial.Feliz Domingo queridos,com todo meu amor! ♡












   

Saudades

Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.

Quando vejo retratos, quando sinto cheiros,

quando escuto uma voz, quando me lembro do passado,

eu sinto saudades...
Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,
de pessoas com quem não mais falei ou cruzei...
Sinto saudades da minha infância,
do meu primeiro amor, do meu segundo, do terceiro,
do penúltimo e daqueles que ainda vou ter, se Deus quiser...
Sinto saudades do presente,
que não aproveitei de todo,
lembrando do passado
e apostando no futuro...
Sinto saudades do futuro,
que se idealizado,
provavelmente não será do jeito que eu penso que vai ser...
Sinto saudades de quem me deixou e de quem eu deixei!
De quem disse que viria
e nem apareceu;
de quem apareceu correndo,
sem me conhecer direito,
de quem nunca vou ter a oportunidade de conhecer.
Sinto saudades dos que se foram e de quem não me despedi direito!
Daqueles que não tiveram
como me dizer adeus;
de gente que passou na calçada contrária da minha vida
e que só enxerguei de vislumbre!
Sinto saudades de coisas que tive
e de outras que não tive
mas quis muito ter!
Sinto saudades de coisas
que nem sei se existiram.
Sinto saudades de coisas sérias,
de coisas hilariantes,
de casos, de experiências...
Sinto saudades do cachorrinho que eu tive um dia
e que me amava fielmente, como só os cães são capazes de fazer!
Sinto saudades dos livros que li e que me fizeram viajar!
Sinto saudades dos discos que ouvi e que me fizeram sonhar,
Sinto saudades das coisas que vivi
e das que deixei passar,
sem curtir na totalidade.
Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que...
não sei onde...
para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi...
Vejo o mundo girando e penso que poderia estar sentindo saudades
Em japonês, em russo,
em italiano, em inglês...
mas que minha saudade,
por eu ter nascido no Brasil,
só fala português, embora, lá no fundo, possa ser poliglota.
Aliás, dizem que costuma-se usar sempre a língua pátria,
espontaneamente quando
estamos desseperados...
para contar dinheiro... fazer amor...
declarar sentimentos fortes...
seja lá em que lugar do mundo estejamos.
Eu acredito que um simples
"I miss you"
ou seja lá
como possamos traduzir saudade em outra língua,
nunca terá a mesma força e significado da nossa palavrinha.
Talvez não exprima corretamente
a imensa falta
que sentimos de coisas
ou pessoas queridas.
E é por isso que eu tenho mais saudades...
Porque encontrei uma palavra
para usar todas as vezes
em que sinto este aperto no peito,
meio nostálgico, meio gostoso,
mas que funciona melhor
do que um sinal vital
quando se quer falar de vida
e de sentimentos.
Ela é a prova inequívoca
de que somos sensíveis!
De que amamos muito
o que tivemos
e lamentamos as coisas boas
que perdemos ao longo da nossa existência...

15 comentários:

✿ chica disse...

Muito lindas as lavandas e aqui em casa, na minha meinha, tenho a lavanda que da Cláudia ganhei. Nunca a esquecemos!Saudades! bjs, chica

Liliane de Paula disse...

O que aconteceu com a Cláudia? Será que eu conhecia?

Numa das primeiras fotos da Lavanda, tem um besouro(acho) que aqui a gente chama Lacerdinha.
Conheceu por aqui?

Marilde Sievert disse...

Minha querida amiga! Emocionada aqui! Obrigada por tua linda amizade e maravilhosa postagem! Bjs no teu coração

Prata da casa disse...

Olá Patrícia: adorei a lavanda,as penso que nunca tinho visto uma descrição de "saudade" tão bela. Vou guardá-la.
Bjn
Márcia

Zulmira Romariz disse...

Patricia, as lavandas são maravilhosas, o texto magnífico, saudade amiga

Ilaine disse...

Patricia, querida!

Eu conhecia a Cláudia... porque tu me falaste dela, de seu blog, de seu livro. Falavas dela com entusiasmo e empolgação. Sem perder tempo, fui ao blog dela e também eu me encantei com a pessoa linda que era. Ficamos amigas. E isto nem faz tanto tempo assim... quando vi a perdi novamente. Ela deixou a nós todas. Quando vejo lavandas lembro-me sempre da Cláudia.

Só fica a saudade!

Lindas imagens, amiga!
Teu jardim é um sonho!

Beijo no coração

Francisco Manuel Carrajola Oliveira disse...

Lindas fotografias e um fantástico texto da Clarice Lispector.
Um abraço e uma boa semana.
Andarilhar

Betty Gaeta disse...

Oi Patrícia,
Tb sinto uma falta imensa da Claudia. Não a conheci pessoalmente, mas era tão próxima que se fez mais presente em minha vida do que muita gente com que convivo no mundo real.
Ela deixou um vazio imenso.
Bjs
gosto-disto

Maria Luiza disse...

Patrícia, comovente sua homenagem à Claudia! Lindas de ver estão as suas lavandas! Beijinhos!

Anajá Schmitz disse...

Que pena. A lavanda hoje para mim se chama Claudia Obenaus. Uma rica pessoa que nos encantou com seu amor pela lavanda.
Bjos, tenha uma ótima semana.

manuela carvalho disse...

Uma belissima homenagem a essa amiga que partiu! Beijinhos

Maria Gloria D'Amico disse...

Eu tenho muito amor pelas lavandas, sempre com abelhas por perto. Tuas fotos estão belíssimas, Patrícia.
Também sou tocada pelos escritos de Clarice, ela é sempre muito profunda.
Beijos querida.

Rosa Paula I Le Paquet disse...

Suas lavandas estão maravilhosas, aliás, todo o seu jardim. Vi um pouco mais no outro post. Saudade representa um encontro feliz que aconteceu. Temos sorte de senti-la mesmo quando é dolorida (claro que nem sempre conseguimos nos sentir assim).

Crocheteando...momentos! disse...

A poetisa e o poema foram uma belíssima escolha para seus olhares!
Bj

Crocheteando...momentos! disse...

A poetisa e o poema foram uma belíssima escolha para seus olhares!
Bj